porGuia de Investimentos

Como a experiência digital do cliente impacta nos seus resultados?🛸🛰

Atentar-se à experiência digital que está sendo proporcionada aos clientes da empresa é crucial no cenário atual, em que as relações comerciais passam por profundas mudanças.

Os canais digitais possibilitam aos novos empreendedores a conquista de clientes em seus mercados de atuação com cada vez mais eficiência. 

Ao mesmo tempo, grandes empresas precisam deixar a zona de conforto, ou não conseguem sobreviver com a crescente competitividade.

Paralelamente, os consumidores estão cada vez mais conectados e criteriosos, valorizando a diversidade de recursos que os dispositivos móveis e a internet possibilitam. 

A avaliação e escolha dos melhores fornecedores, de acordo com as suas necessidades, passa a ser uma regra no consumo de produtos e serviços.

Contudo, a internet mudou os hábitos de consumo de grande parte da população. Pode-se dizer que hoje, praticamente, todas as escolhas (de lazer, política, estilo de vida, produtos e serviços, etc) passam por um período de consideração com pesquisas na internet. 

Mais do que o próprio consumo, as pessoas buscam a resolução de problemas e para isso querem contar com o máximo de informação, referências e ainda consultam amigos, pessoas com experiências ou necessidades semelhantes, etc.

Antigamente, as empresas focavam os esforços de suas campanhas de marketing em seus próprios produtos ou serviços, com ofertas ou divulgando os seus atributos. 

Entretanto, hoje todos os recursos devem ser investidos na compreensão das necessidades do público, para o oferecimento das soluções mais adequadas, no momento e contexto certos – seguindo as tendências guiadas por consumidores cada vez mais informados e críticos.

Em outras palavras, pode-se dizer que a tecnologia possibilitou certo empoderamento aos consumidores, o que aponta para a experiência do cliente como um elemento central para o sucesso nos negócios.

O que é experiência digital do cliente?

A experiência digital do cliente é o nome que se dá ao conjunto de interações entre empresa e cliente, incluindo as impressões que resultam de cada um dos contatos. 

Há uma diferença entre experiência digital do cliente e o conceito de experiência do cliente. 

Pode-se dizer que toda a estrutura de experiência do cliente de uma marca suporta, desde os canais tradicionais de atendimento, como os SACs por telefone, até as novas interfaces digitais. 

Já a experiência digital do cliente está focada nas soluções tecnológicas que permitem o benefício, tanto dos consumidores quanto dos empreendedores.

Ambas tem como objetivo principal atender às expectativas do público-alvo, tanto nos canais digitais quanto nos tradicionais.

É válido considerar que os consumidores não costumam categorizar as suas experiências como digital ou não digital, desde que o acesso às informações e organizações ocorra de maneira conveniente. 

Embora não importe o canal, hoje em dia, a popularidade dos smartphones e a facilidade do acesso à internet fazem com que o meio digital seja o mais usual para muitas empresas, de todos os portes e setores, como uma especializada em serviços de usinagem CNC.

Outra ponto importante é o fato de que a experiência digital do cliente não se restringe à tecnologia e estratégia, demandando uma visão mais abrangente dos negócios. 

Tampouco se limita às vendas e ao marketing, já que a experiência digital do cliente também deve focar no atendimento, retenção de consumidores e atividades de engajamento.

Embora a maioria das empresas associem a experiência digital do cliente às áreas de vendas e marketing, os contatos mais completos e satisfatórios levam em conta todo o ciclo do cliente.

Além disso, não se trata de uma preocupação exclusiva das marcas com empreendimentos digitais. Independentemente de vender por e-commerce ou não, as empresas precisam ter presença online para se manterem relevantes hoje em dia.

Contudo, as experiências digitais dos clientes precisam ser excepcionais, para que o investimento gere lucro e crescimento aos negócios. 

Isso se aplica à empresas de todos os tipos, como especializadas em papel de parede arabesco, ou outras espécies de produtos e serviços.

Por que a experiência digital do cliente é importante?

Com um mercado cada vez mais competitivo, em que surgem novos concorrentes e produtos similares em preço e características a todo instante, a experiência do cliente é um diferencial competitivo. 

De uma maneira geral, ela evita que a empresa caia na competição por preço baixo, que pode ser bastante negativa para o futuro dos empreendimentos. 

Basta imaginar uma empresa especialista em carpete de madeira preço de mercado, em que a competição pode chegar ao ponto de forçar a diminuição dos lucros.

A importância da experiência digital do cliente tem se evidenciado. 

Ela inclui todas as interações dos clientes com a empresa: desde que a pessoa ouve falar sobre um produto ou serviço, até o momento em que encontra um site da empresa, passando pelo nível de dificuldade em adquirir um produto ou obter ajuda, tudo isso conta muito para uma experiência completa e positiva.

Da mesma forma, experiências ruins e atendimento ineficiente podem fazer com que clientes desengajados procurem concorrentes. Isso prejudica a marca e, consequentemente o seu faturamento.

Pode-se dizer que o investimento em melhorias na experiência digital do cliente pode acrescentar vantagens, como:

  1. Reforço da preferência dos consumidores pela empresa;
  2. Redução do abandono por parte dos clientes;
  3. Incentivo aos defensores de marca;
  4. Aumento da receita da marca.

1. Reforço da preferência dos consumidores pela empresa

Quando os consumidores esperam experiências personalizadas e têm o desejo atendido, eles tendem a valorizar mais a marca. 

Assim, aumentam as chances de fidelização dos produtos ou serviços, como o aluguel de um misturador de argamassa em construções, por exemplo, em que é bastante recorrente entre os construtores.

Esse tipo de empresa pode usar recursos da experiência digital do cliente para melhorar o suporte na locação. Uma maneira de fazer isso é fornecendo informações que podem ser úteis antes, durante ou depois dos processos.

2. Redução do abandono por parte dos clientes

Adquirir um novo consumidor demanda mais recursos do que manter um cliente atual. Além disso, um cliente satisfeito é menos suscetível à competição por preços baixos, valorizando mais as marcas.

Por isso, uma experiência digital positiva pode fazer com que um e-commerce de ribbon para impressora, ou outros tipos de produtos, consiga manter o seu público engajado mais facilmente. 

3. Incentivo aos defensores de marca

Quando um consumidor é surpreendido com uma experiência ótima, a felicidade e satisfação frequentemente é revertida em lealdade. 

Assim, os clientes tendem a se mostrar verdadeiros defensores das empresas, recomendando os produtos ou serviços para amigos, fazendo comentários positivos na internet, etc.

Isso pode ajudar os empreendimentos a impulsionarem as vendas. Até porque, novos clientes poderão procurar por referências e encontrar comentários positivos sobre os produtos, como uma cantoneira de ferro.

4. Aumento da receita da marca

Aumentar a satisfação dos clientes é o principal segredo para impulsionar a lucratividade de um negócio. Os clientes satisfeitos compram mais e geram indicações.

Entretanto, é comum que exista uma lacuna entre o serviço oferecido pelas empresas e a experiência esperada pelo público. 

Mais do que tentar buscar a excelência, é preciso saber o que as pessoas desejam e precisam, para realmente agregar valor ao relacionamento entre consumidores e fabricantes de filtro bolsa, ou outros tipos de produtos.

Orientações gerais para uma boa experiência

Para proporcionar uma boa experiência digital do cliente, é preciso levar em conta alguns aspectos, como:

  • Alcance da marca e presença em canais digitais;
  • Facilidade de suporte ao cliente e compra;
  • Personalização nas mensagens de atendimento aos clientes;
  • Flexibilidade de canais de atendimento.

Em outras palavras, é necessário avaliar em que canais a empresa se faz presente e como ela vem utilizando as suas plataformas digitais. Isso vale para empresas de todos os tipos, como consultorias em laudo SPDA.

A experiência do cliente deve ser fácil, com informação à disposição para a sua educação, visando o melhor uso do produto ou serviço oferecido pela empresa. 

Caso o consumidor precise de ajuda, o acesso ao suporte também deve ser simples e intuitivo. Dificuldades em comprar ou pedir ajuda, além de jornadas de compras completas demais podem se mostrar empecilhos.

A personalização dos atendimentos é o que possibilita a satisfação das necessidades específicas de cada pessoa, reconhecendo os consumidores e tratando-os como indivíduos. 

Nesse mesmo sentido, a flexibilidade de canais de atendimento, segundo o contexto do cliente, é facilitada quando há informações compartilhadas entre as possibilidades de contato.

Ao final, também é possível direcionar métricas de avaliação para a experiência digital do cliente, com o objetivo de entender se as ações têm alcançado os resultados esperados. 

Assim, as ações podem ser adaptadas, mirando em uma experiência mais completa e satisfatória, capaz de impulsionar os negócios.

porGuia de Investimentos

Vantagens em se investir no Inbound Marketing

A internet modificou a maneira como nos relacionamos, nos informamos e consumimos conteúdo, trazendo a tona técnicas como o Inbound Marketing. 

Com acesso via dispositivos móveis, é possível encontrar as mais diversas temáticas em segundos, na palma da mão. 

Por conta disso, muitas empresas têm se voltado para as estratégias do Inbound Marketing, que diferentemente da publicidade tradicional, não vai atrás dos clientes.

Isso porque ela explora canais online, como mecanismos de busca e blogs, para ter relevância e autoridade no mercado.

Apesar de não ser exclusivo na internet, o Inbound Marketing encontrou um campo fértil para desenvolver suas estratégias dentro do marketing digital.

Estudos na área mostram que cerca de 50% das empresas que adotaram o Inbound Marketing levaram menos de 30 dias para o fechamento das vendas.

Isso em comparação a somente 17% dos negócios que usam a publicidade tradicional (também chamada de Outbound Marketing).

Portanto, a estratégia aparece como uma das preferidas dentro das ações em marketing digital. Afinal, ela é parte importante das campanhas para atrair leads (potenciais clientes), aumentar o número de visitantes e obter reconhecimento no mundo online.

Entenda mais sobre o conceito de Inbound Marketing

O conceito de Inbound Marketing surgiu em 2009. Isso por conta do lançamento do livro “Inbound Marketing: seja encontrado usando o Google, a mídia social e os blogs”, de Brian Halligan e Dharmesh Shah, nos Estados Unidos. 

A partir daí, a estratégia ganhou cada vez mais adeptos, sendo a principal forma de atração dos clientes na internet.

O Inbound Marketing também é chamado de “marketing de atração”, justamente porque a estratégia tem o objetivo de ouvir as pessoas e oferecer algo relevante, isto é, que realmente atenda às necessidades dos usuários.

Por exemplo, enquanto no marketing tradicional temos um anúncio sobre uma promoção móveis planejados, destacando o preço e condições de pagamento, o Inbound focará nos diferenciais dos produtos, explicando o porquê é vantajoso adquirir um móvel planejado.

Outro ponto importante é que o Inbound Marketing não vai até o cliente, mas espera que ele venha até à empresa. 

No exemplo citado acima, o usuário não irá pesquisar sobre a promoção, mas pode buscar sobre benefícios dos móveis planejados, dicas de decoração para casa e outros assuntos relacionados.

Portanto, o Inbound Marketing cria um conteúdo de qualidade, a respeito das dúvidas, questionamentos e necessidades principais dos usuários. 

Assim, a empresa apresenta soluções em forma de mensagem, tornando-se autoridade naquele determinado assunto, com reconhecimento no mercado.

Em geral, o Inbound Marketing tem como principais objetivos:

  • Aumentar a visibilidade do seu negócio;
  • Educar os usuários acerca dos produtos/serviços;
  • Atrair maior número de clientes em potencial;
  • Ter mais assertividade nas campanhas publicitárias.

Para se ter uma ideia da importância da metodologia, as empresas que adotaram o Inbound Marketing como estratégia alcançaram 10 vezes mais leads do que os empreendimentos que não utilizam o método. 

Por conta disso, o conceito é cada vez mais presente em todos os tipos de negócios, desde grandes multinacionais até empresas de menor porte, como uma desentupidora em Jundiaí.

Conheça 5 vantagens do Inbound Marketing

Além de conquistar um número maior de potenciais clientes, o Inbound Marketing trabalha com campanhas menos invasivas. 

Por exemplo, quando estamos vendo televisão e somos interrompidos pelos comerciais, com anúncios agressivos sobre produtos/serviços, estamos diante do Outbound Marketing (publicidade tradicional).

No Inbound, não há essa interrupção – ao contrário, consumimos informação e posteriormente somos apresentados a uma empresa. 

Nesse cenário, podemos procurar na internet formas de instalação de piso laminado preço e nos deparamos com um conteúdo ensinando como realizar o procedimento, mas que alerta sobre os possíveis riscos de instalar pisos sem ajuda profissional.

Somente após aprender mais sobre o serviço, somos apresentados a uma empresa especializada na instalação de revestimentos laminados. 

Assim, podemos optar ou não por contratar o negócio. De qualquer forma, já passamos a conhecer a empresa e a considerá-la especialista no assunto.

Ou seja, antes de falar de negócios, cria-se um relacionamento saudável com os usuários e há inúmeras vantagens em se investir no Inbound Marketing. Confira abaixo!

1. É mais barato que o marketing tradicional

Investir em propagandas na televisão, rádio, jornais e revistas pode ser muito dispendioso, ainda mais para empresas que estão começando agora. Mesmo na internet, os anúncios pagos podem custar caro e ainda sim não ter tanta efetividade.

O Inbound Marketing custa 62% a menos em relação ao marketing tradicional. Como consequência, tem-se maior ROI (Retorno sobre Investimento), fora que não é preciso ter um grande investimento para iniciar as divulgações. 

Isso ocorre porque o Inbound Marketing alcança um ROI de até 275% a mais do que o Outbound Marketing.

Desse modo, uma maneira bastante econômica e atrativa é a construção de um blog. A plataforma funciona como um canal para armazenar conteúdo, no qual a empresa pode colocar textos, vídeos e outros materiais para informar os usuários. 

Afinal, mais de 82% dos profissionais de marketing têm blogs com ROI positivo, com a estratégia Inbound. Entretanto, é preciso manter uma atualização periódica dos blogs. 

Por exemplo, uma empresa especializada no aluguel de galpão pode produzir conteúdos a respeito do uso de armazéns, vantagens de locação de espaços e até mesmo um vídeo educativo sobre operações logísticas. 

No entanto, é preciso destacar que todo o conteúdo deve ter um cronograma, para que os usuários sempre possam consumir informações novas.

Fazer um blog é a melhor forma de promover o crescimento da sua empresa online. Além de econômico, a plataforma atrai muitos visitantes e promove a visibilidade da marca.

2. É voltado para os consumidores digitais

Os usuários buscam soluções cada vez mais personalizadas, por isso, não são atraídos pela publicidade tradicional e massiva. 

O Inbound Marketing dialoga com essa novo comportamento do público digital. Isso porque ele foca nas soluções do seu negócio para o problema do cliente.

Por exemplo, ao buscar métodos de controle de cupins, provavelmente o usuário está sofrendo com uma infestação de pragas urbanas. 

Pode ser interessante falar sobre os melhores métodos de acabar com os cupins, preservar os móveis e prevenir novas infestações – conteúdos bem aproveitados por uma dedetizadora.

Assim, o usuário não se sente “invadido” por uma publicidade agressiva, que pouco tem interesse em seu problema. 

Com o Inbound Marketing, o indivíduo sente-se mais acolhido, pois recebe uma informação relevante sobre algo que ele realmente precisa, afinal, o consumidor online não gosta de argumentos de venda forçados.

3. A sua empresa aparece no Google

O Google é considerado o maior site de buscas de todo o mundo. São mais de 77 mil pesquisas por segundo e 3,5 bilhões por dia, resultando em um número aproximado de 2 trilhões de buscas por ano, de acordo com a própria plataforma.

Do total de pesquisas no Google, cerca de 50% dos usuários acaba visitando o site de alguma empresa e loja física dentro de um dia, é o que aponta pesquisas realizadas pela empresa Consumer Barometer.

Portanto, o motor de busca tem uma alta taxa de conversão, por isso, é importante estar presente no Google.

A metodologia Inbound Marketing permite que as empresas tenham boas posições de ranqueamento no Google, por meio de uma técnica conhecida como SEO (Search Engine Optimization).

Basicamente, a estratégia é usar um conjunto de palavras-chave, em uma determinada quantidade de vezes, dentro do conteúdo. Com isso, o seu site/blog irá aparecer para os usuários, quando eles fizerem uma pesquisa.

Por exemplo, uma empresa de equipamentos de ginástica percebeu que muitos usuários pesquisam por aparelhos de pilates valores no Google. 

Ao produzir um conteúdo, essas palavras podem ser utilizadas e, com isso, há mais chances do website/blog da loja aparecer entre as primeiras páginas do Google.

Vale ressaltar que a primeira posição dos resultados de pesquisa do Google tem uma taxa de cliques de 31,35%, de acordo com dados divulgados pela Ranking Web Advenced

Por esse motivo, quanto mais bem posicionado o seu site/blog estiver no buscador, as chances de conversão são maiores.

4. Cria autoridade e um bom relacionamento com os clientes

Ao fornecer conteúdo relevante, a sua empresa passa a ter credibilidade e autoridade no mercado. 

Imagine um distribuidor de gás que informa os usuários a respeito de medidas sustentáveis para reaproveitamento de GLP, ou ainda dá dicas de segurança para quem usa botijão de gás.

É bem provável que os clientes prefiram comprar desse distribuidor específico, do que de uma empresa que pouco informa sobre o tema.

Além do mais, o Inbound Marketing é uma ótima maneira de manter um bom relacionamento com o cliente. Afinal, a oferta de conteúdo acompanha toda a jornada de compra, sendo possível oferecer materiais cada vez mais ricos.

5. Faz com que seu negócio seja bem divulgado pelos clientes

Por criar um bom relacionamento e fidelizar os clientes, o Inbound Marketing auxilia o seu negócio a ser divulgado por outras pessoas. Ou seja, os consumidores também se tornam parte da estratégia, pois eles recomendam a sua empresa para outros conhecidos.

Ademais, esse tipo de estratégia é muito eficiente, pois as pessoas tendem a fechar negócio mais rápido com empresas bem recomendadas. 

Por exemplo, se um amigo indicar uma poltrona massageadora preço, o produto tem mais chances de ser vendido, em comparação com uma outra poltrona não conhecida.

Com isso, tem-se uma ciclo constante de divulgação, fazendo com o que o seu negócio tenha cada vez mais reconhecimento no mercado.

porGuia de Investimentos

O que é aplicativo mobile híbrido e quais as vantagens desse investimento?

O desenvolvimento de um aplicativo mobile híbrido ganha cada vez mais espaço em um cenário que conta com o uso crescente de diferentes dispositivos no dia a dia.

Isso porque se tornou indispensável que as empresas busquem a adaptação para sobreviver no mercado, mas também para alcançar destaque.

Esse tipo de investimento é uma importante estratégia em meio a popularização dos recursos digitais, seja para grandes empresas que atuam no varejo, como com a venda de persianas para escritórios ou para outros setores e portes.

No entanto, antes de apresentar especificamente o desenvolvimento de um modelo híbrido, é válido abordar outras vantagens gerais que uma empresa pode alcançar ao apostar em um aplicativo.

Por que investir em um aplicativo?

Sem dúvidas, esse tipo de plataforma permite alcançar as mais variadas propostas e, conforme será apresentado, pode ser elaborada de formas distintas.

No entanto, é interessante dar ênfase a um fator em comum, pois seja uma empresa de locação de máquina de café ou de qualquer outro setor, os aplicativos surgem como uma forma de suprir as necessidades do mercado de forma mais personalizada e ágil.

Além de abordar os destaques associados ao modelo híbrido, é válido citar que os aplicativos tornam-se uma forma de alcançar um diferencial competitivo e de obter dados mais precisos dos consumidores.

Sendo assim, ao reunir a lista dos principais benefícios dessa forma de investimento, é imprescindível dar ênfase aos seguintes fatores:

  • Valorização da marca;
  • Alcance de mais clientes;
  • Relação mais próxima da audiência;
  • Potencialização da fidelidade.

Nesse contexto, também é importante que os empreendedores tenham consciência de que os aplicativos são adotados em diferentes ocasiões. No entanto, isso ocorre principalmente como uma forma de obter mais comodidade.

Isso é algo que se enquadra desde um contato mais direto e ágil com a empresa até a análise de serviços ou produtos oferecidos em uma plataforma específica.

Para se ter uma ideia, um usuário que deseja obter informações sobre o desenvolvimento de um projeto em uma loja de moveis planejados SP pode acessar rapidamente o aplicativo para usar o chat.

Ao considerar questões como essas, é possível analisar que os cuidados devem ser reforçados, essencialmente em relação ao quanto é funcional e agradável para os usuários.

O que é um aplicativo mobile híbrido?

Para compreender de uma forma mais clara o conceito de aplicativo híbrido, o modelo nativo também deve ser abordado e, entre as principais características desses recursos, é válido abordar:

Aplicativo nativo

De uma forma geral, o modelo nativo é caracterizado por ter um desenvolvimento específico para cada plataforma, o que resulta em uma interface que se adequa ao padrão apresentado em diferentes meios.

Se uma empresa que realiza a reforma de imóveis cria um aplicativo para android, que utiliza a linguagem de programação Java ou para iOS ou ainda Objective-C, trata-se de uma plataforma nativa.

Dessa maneira, pode-se dizer também que a exploração dos recursos do dispositivo é positiva devido ao acesso total.

Aplicativo híbrido

O aplicativo classificado como híbrido abrange aspectos da opção anterior e de uma categoria que recebe o nome de web app. Ou seja, um aplicativo acessado por meio de um navegador, em que as funcionalidades do dispositivo não são utilizadas.

Todavia, ao alinhar essas características, o híbrido viabiliza a elaboração de um aplicativo que seja nativo e também conte com o uso por navegador.

Por exemplo, se uma empresa de pintura predial almeja uma plataforma que respeite o sistema do dispositivo, mas que ainda integre as informações com o site correspondente ao Web App, o híbrido pode ser a solução ideal.

Sendo assim, o aplicativo híbrido conta com uma linguagem diferenciada devido aos sistemas em que pode ser empregado e, hoje em dia, há a possibilidade de encontrar diversos recursos para suporte no desenvolvimento.

Conheça outros aspectos dos aplicativos híbridos

Com o conceito do aplicativo híbrido apresentado, para compreender de uma forma ainda mais ampla o impacto que esse tipo de recurso apresenta, é interessante abordar outros aspectos, o que envolve também suas vantagens.

Imagine uma empresa que comercializa itens para decoração, como papel de parede arabesco e está na fase de testes de um aplicativo.

Nesse caso, o híbrido surge como uma solução interessante devido a possibilidade de estar em diferentes plataformas, além do fato de contar com um prazo relativamente curto para a prototipação dos layouts.

Ainda mais, com esse tipo de aplicativo, é possível alcançar resultados que sejam atrativos e funcionais, o que conforme é indispensável para as empresas.

Afinal, a experiência do usuário é cada vez mais priorizada ao abordar estratégias comerciais e, nesse caso, não seria diferente, uma vez que o desenvolvimento tem impacto direto na qualidade do uso.

Além dos aspectos abordados, é interessante considerar que as exigências do mercado mudam constantemente, o que pode ter um grande impacto financeiro, caso as mudanças demorem ou sejam ineficazes. 

Ao apostar no modelo híbrido, um grande benefício para empresas de instalações elétricas ou de qualquer outro setor, é a possibilidade de realizar as modificações no código de forma ágil.

Dicas para ter um aplicativo de sucesso

Quando a aposta em um aplicativo é realizada, é muito comum que existam dúvidas sobre o que pode ser adotado para obter ainda mais sucesso.

Claramente, cada marca apresenta suas necessidades, o que influencia de forma significativa o direcionamento de cada etapa na elaboração de um aplicativo.

No entanto, há algumas dicas gerais que podem ser adotadas pelos profissionais que desejam potencializar os resultados obtidos com esse recurso, tais como:

Defina um objetivo

Ter uma meta clara é um fator decisivo para a elaboração e execução de uma estratégia comercial e não seria diferente ao se tratar do desenvolvimento de um aplicativo mobile híbrido.

Para se ter uma ideia, um aplicativo e sistema para restaurante podem ser empregados em prol de uma maior proximidade com o público.

Além dessa possibilidade, pode ser necessário empregar uma solução para a solicitação mais ágil de orçamentos e outras informações.

Essas são algumas das necessidades que podem ser atendidas com um aplicativo e, diante da diversidade de situações, é fundamental que desde o princípio o objetivo seja claro.

Para isso, basta imaginar que a ausência de uma meta clara tem impacto no direcionamento dos esforços, escolha de recursos adequados e, consequentemente, pode resultar em prejuízos devido às exigências de alterações.

Conheça seu público-alvo

De certo modo esse tópico está conectado com o anterior, principalmente ao considerar que para ter um objetivo claro também é fundamental que exista um perfil bem definido do público-alvo.

Isso se deve ao fato de que não há um padrão a ser seguido e que ao conhecer o tipo de público, essa será uma das principais pautas para desenvolver um aplicativo que atenda suas reais necessidades.

Acrescenta-se a esse cenário o fato de que o público de uma empresa que comercializa cosméticos provavelmente apresentará exigências distintas em relação a uma plataforma elaborada para uma marca da área veicular.

Até mesmo em áreas semelhantes o público pode apresentar aspectos totalmente distintos. Isso reforça a importância de levantar informações socioeconômicas, demográficas e demais aspectos que sejam relevantes para um conhecimento preciso.

Priorize a qualidade no layout

O layout do aplicativo da sua empresa, naturalmente, deve ter como base as necessidades do público, porém, há outros fatores que devem ser considerados, como as tendências.

Apesar de qualquer finalidade que o aplicativo possa atender, é preciso que exista conhecimento das oportunidades de inovar e surpreender o público.

Desse modo, não basta criar esse tipo de plataforma, é preciso investir para que seja a melhor possível, o que viabiliza o fortalecimento da imagem da empresa diante o público, parceiros e possíveis investidores.

Invista em divulgação

Não basta ter um aplicativo de qualidade e não investir em táticas para torná-lo conhecido por seu público, certo?

Desse modo, trata-se de uma ferramenta que pode mudar significativamente sua relação com os clientes e, conforme citado, atrair mais negócios. Por isso, apostar em uma boa divulgação é indispensável.

É importante que a sua audiência saiba que agora há meios mais favoráveis de solicitar um serviço ou adquirir determinado item, por exemplo, ao checar as opções e valores dos produtos.

Por esse motivo, elaborar metodologias específicas para o aplicativo do empreendimento em outras plataformas, como publicações nas mídias sociais ou anúncios no blog da marca, pode ser decisivo para que mais pessoas utilizem.

Sem dúvidas, para que essas dicas sejam adotadas e um aplicativo híbrido capaz de proporcionar diversas vantagens para a marca e sua audiência seja elaborado, é preciso buscar por profissionais de confiança.

Afinal, é uma forma de garantir uma codificação qualificada, assim como a obtenção de informações úteis para o projeto multiplataforma e a prevenção de prejuízos a curto, médio e longo prazo.

porGuia de Investimentos

Empreendedor digital brasileiro: Entenda o perfil e as tendências de mercado 🇧🇷

O avanço da internet e a crescente presença do mundo virtual fez surgir um novo perfil de empresário, o chamado empreendedor digital.  Diversas pesquisas apontam um aumento vertiginoso nessa área, com o uso de meios eletrônicos e altamente tecnológicos para intermediar a compra e venda de produtos, serviços e inovações.

Dicas para o empreendedor digital brasileiro. 🇧🇷

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), cerca de 65% da população brasileira com idade superior a 10 anos têm acesso à internet. 

O levantamento também demonstrou que são mais de 116 milhões de pessoas conectadas às redes por meio de smartphones (95%), computadores (64%), tablets (16%) e televisões (11%).

Com esse cenário, é fácil perceber o porquê do crescimento dos comércios eletrônicos (e-commerce) no Brasil, em conjunto com o empreendedorismo digital. 

Segundo a Associação de Comércio Eletrônico (ABComm), o faturamento do setor chega a mais de R$ 69 bilhões por ano, com mais de 220 milhões de pedidos em lojas virtuais.

Não é só a venda de produtos que ganha notoriedade no ambiente digital. Afinal, inúmeros empreendimentos prestadores de serviço, como uma empresa de consultoria em segurança do trabalho, conseguem se destacar no mercado.

Isso ocorre por conta do oferecimento de atendimentos online e contratos fechados pela internet.

Mas, o que é o empreendedorismo digital?

Basicamente, o empreendedorismo digital consiste em todo negócio, transação, relacionamento ou inovação feito em ambiente virtual. Isto é, na internet. 

Por meio de plataformas online, é possível vender, comprar e negociar com clientes, parceiros e colaboradores, em sites ou marketplaces.

Isso quer dizer que uma loja de planejados pode abrir um negócio online, com um website próprio, no qual oferece seus móveis aos clientes de todo o mundo, firmando contratos via internet.

Assim, ao comprar um item, o consumidor final irá recebê-lo diretamente em casa, sem ter que se deslocar até um estabelecimento fixo para fazer a compra.

O empreendedorismo digital ganhou destaque no Brasil em 2017, com o agravamento da crise econômica.

Muitos brasileiros viram na internet a possibilidade de abrir um novo negócio, com pouco investimento inicial, sendo uma forma de contornar a dificuldade financeira e garantir a renda familiar. 

Ou seja, o empreendedorismo digital no país surgiu pela necessidade de procurar uma alternativa diante da crise. De 2015 a 2017, foram mais de 11,1 milhões de empresas criadas por necessidade no Brasil.

Por vivermos em uma sociedade cada vez mais conectada, a facilidade da internet foi altamente atrativa para os brasileiros.

Por fim, isso criou um cenário perfeito para o fomento do empreendedorismo digital e uma chance para as antigas empresas alavancarem seus negócios.

Sendo assim, considera-se o empreendedorismo digital não só a criação de novos negócios, mas também a incorporação de novos relacionamentos virtuais por empresas que já estavam presente no mercado. 

Com isso, uma fabrica de etiquetas adesivas, por exemplo, pode ter um estabelecimento físico, mas também um website para compras online, abrindo novas possibilidades de mercado.

Além do mais, na chamada “Era da Informação” em que vivemos, com o uso cada vez mais frequente da internet e das tecnologias de informação e comunicação (TICs), as empresas não podem ficar de fora do mundo virtual. 

Muito disso, deve-se à mudança no comportamento do consumidor, que dá preferência para buscas online antes de fechar qualquer negócio.

Quem é o empreendedor digital brasileiro?

Fora o mercado em expansão e o novo perfil do consumidor, o empreendedorismo digital é um modelo de negócios bastante vantajoso, pois:

  • Tem um custo inicial baixo;
  • Não possui barreiras geográficas;
  • É um negócio escalável;
  • Tem maior flexibilidade.

Por esse motivo, é cada vez mais comum vermos todos os tipos de negócios migrando para o mundo online. 

Grande parte dos empreendimentos prestadores de serviço se concentram em Marketing Digital (17%), criação de conteúdo (17%), software (16%), educação (14%) e social media (13%). 

No entanto, o e-commerce lidera as empresas online com 29% de participação no segmento.

Na questão do perfil, grande parte dos empreendedores digitais é do sexo masculino (75%), entre 20 e 30 anos de idade (61%), da classe A e B (86%).

Além disso, uma pesquisa realizada por uma plataforma de criação de lojas virtuais mostrou que 43% dos empreendedores digitais iniciam o investimento no e-commerce como uma primeira experiência de empreendedorismo e mais da metade investe menos que mil reais.

Esses números demonstram que o perfil do empreendedor digital brasileiro se concentra nos jovens, que estão profundamente inseridos nos ambientes virtuais. 

Assim, mesmo em um pequeno negócio, como o de confecção e manufaturada de uniformes personalizados para empresas, pode abrir um e-commerce, sem precisar de muito investimento capital.

O nível de escolaridade também é fator de destaque no perfil do empreendedor digital brasileiro.

Conforme indicam as pesquisas, cerca de 75% têm nível superior completo ou acima, sendo que 29% desse total já concluiu ao menos uma pós-graduação. 

A maioria dos empreendedores digitais reside nas capitais (74%) e somente 26% nas cidades do interior, com destaque para a região sudeste, com quase 60%.

Outros estudos também apontam que 59% dos empreendedores digitais escolheram sua área de atuação ao enxergarem uma oportunidade do mercado, e 56% tiveram como principal motivação o desejo de abrir um negócio próprio. 

Esses números são bem próximos do empreendedorismo tradicional, visto que muitos investem nesse segmento com a intenção de serem donos de um estabelecimento.

No entanto, tanto os empreendedores digitais quanto os tradicionais podem usar da experiência no mercado para gerir e abrir seus negócios. 

Por exemplo, quem trabalhou por muito tempo com manutenção elétrica industrial pode investir em uma consultoria de projetos de eletricidade para indústria, criando um website para atendimento online e prestação de serviços.

Os dados também permitem visualizar que, embora o cenário da crise tenha aumentado o número de empresas por necessidade, o empreendedor digital possui conhecimento prévio e escolaridade acima da média, o que colabora para o sucesso dos negócios online. 

Por essa razão, mesmo estabelecimentos consolidados no mercado, como uma indústria de esquadrias de PVC preço, precisam buscar aprimoramento técnico ao investir em inovações tecnológicas, com presença no ambiente virtual.

Ao ter o conhecimento necessário para o investimento em plataformas digitais, as chances de crescimento das empresas são notáveis, com ampliação de público e possibilidades de divulgação para muitas pessoas. 

De acordo com as pesquisas, o empreendedor digital também utiliza constantemente as redes para as estratégias de marketing do seu negócio, com predominância do Facebook (90,5%), Instagram (62,6%) e Whatsapp (59,3%).

Isso não quer dizer que os empreendedores digitais ignoram os investimentos em marketing tradicional. 

Por exemplo, uma plataforma online que fornece alimentos precisa adquirir etiquetas para congelados como forma de identificar seus produtos e personalizar as embalagens. 

Isso quer dizer que o empreendedor digital precisa ir além dos “saberes” do mundo online e procurar estratégias tradicionais mais eficazes para o seu estabelecimento.

O dia a dia do empreendedor digital brasileiro

Engana-se quem pensa que o empreendedor digital tem uma vida tranquila devido às facilidades da internet.

Esse é um dos maiores mitos dos negócios online, pois apesar da praticidade do mundo virtual, é fundamental ter dedicação, paciência e, muitas vezes, trabalhar em dobro para alcançar resultados positivos.

Afinal, não basta ter uma boa ideia para o negócio – é preciso saber como materializá-la e planejá-la, para evitar a falência precoce. 

Por esse motivo, o empreendedor digital precisa estar em constante atualização, ainda mais porque os avanços da internet são rápidos e, a cada dia, surge algo novo.

Portanto, um dos segredos para um empreendimento digital de sucesso é não parar de estudar. 

Ficar atento às tendências do mercado, observar a concorrência e investir em tecnologias cada vez mais aprimoradas são fatores que influenciam diretamente no sucesso do seu negócio e trazem visibilidade para a empresa.

Além disso, o empreendedor digital é criativo e persistente. O grande bônus do espírito inovador, presente nos empreendedores, é a capacidade de passar por obstáculos, perceber as resistências dos consumidores e ter firmeza em seus propósitos.

Em conjunto a tudo isso, o empreendedor digital precisa ter a coragem de assumir riscos. Isso vale também para a abertura de negócios fora da internet, ainda mais porque em lojas físicas o investimento costuma ser muito maior. 

porGuia de Investimentos

Atendimento personalizado: qual a importância dos chatbots? 󠁴󠁴󠁴󠁴🤖

Cada vez mais os chatbots ganham a cena quando o assunto é atendimento personalizado ao cliente pela internet.  Não é à toa, afinal, esses softwares inteligentes conseguem simular uma conversa humana e, ao mesmo tempo, trazem a agilidade que a rotina exige.

Não importa o segmento. Quem trabalha com atendimento ao cliente sabe o quanto agilidade, empatia e precisão contam pontos para passar a primeira impressão do negócio e fisgar esse cliente na hora de oferecer outros produtos.

Como no mundo online, as vendas não são limitadas por fronteiras geográficas. Afinal, muitas vezes, a demanda por atendimento supera as expectativas e a tecnologia está aí para otimizar o tempo e auxiliar nas estratégias.

Imagine que seu negócio fez uma campanha sobre camisetas promocionais com estoque limitado, tamanhos específicos e determinados modelos de estampa.

Com uma boa divulgação e custo-benefício evidente, as pessoas começam a fazer perguntas repetidas sobre valores, tamanho, frete para entrega e cores.

Cansa ter que responder a mesma informação para muitas pessoas. Com o chatbot, você consegue automatizar as respostas, mas de uma forma humanizada. 

Quer saber mais sobre como essa ferramenta pode auxiliar as estratégias de marketing? Nas próximas linhas vamos abordar tópicos importantes sobre o assunto!

Chatbot: o que é?

A automatização de tarefas e a implementação da Inteligência Artificial (IA) no marketing já é uma realidade e o chatbot é prova disso.

Se alguma vez na vida você conversou com algum assistente de voz no celular ou no computador, pode ter percebido o quanto um robô pode entender o que você deseja fazer.

O chatbot é um programa que funciona nessa lógica, mas pode ser customizado de forma que o seu cliente sinta que está falando com uma pessoa do outro lado da tela. 

Comum nas redes sociais, nos sites ou aplicativos de mensagem, essa ferramenta é uma tendência e pode auxiliar as empresas na hora do atendimento, venda, SAC ou outro contato com o cliente.

Para uma empresa que trabalha com armários planejados para quarto, mobiliario para escritório e projetos para casa, cozinha e banheiro, dúvidas em relação à composição dos materiais e valor do projeto podem ser frequentes.

Nesse cenário, automatizar as principais perguntas, com uma ferramenta apropriada, pode ser uma alternativa interessante.

É claro que é preciso ter um planejamento na hora de implementar esse tipo de programa. Afinal, a humanização do atendimento ocorre porque alguém pensou em como estruturar possíveis diálogos a partir de uma situação ou comando.

Antes de apostar nesse recurso, é importante que a empresa tenha alguns questionamentos e objetivos em termos de atendimento. São possibilidades:

  • Agilizar o atendimento;
  • Bater metas de atendimento;
  • Otimizar a produtividade no setor de vendas;
  • Reduzir o número de tarefas manuais;
  • Vender pelo chat;
  • Facilitar a tomada de decisão;
  • Suprir as demandas do setor de atendimento.

A partir desta lógica, você deve enquadrar o seu segmento dentro do objetivo e personalizar a ferramenta. 

No caso da loja que vende móveis para casas e outros produtos como pia de inox, é importante que o tom de voz da marca esteja alinhado com o tipo da conversa e atenda as expectativas do cliente em potencial.

As pessoas gostam de pessoas que entendem seus problemas e ajudam a solucioná-los e isso é uma premissa que deve estar presente em todas as suas estratégias, inclusive nas de automatização.

Em relação ao atendimento personalizado, é muito importante destacar que esse é um fator que compõe a experiência do cliente em relação à marca. 

Portanto, pode influenciar uma nova compra, uma recomendação ou um comentário nas redes sociais que pode viralizar.

De acordo com a pesquisa mais recente da Customer Experience Trends, a qualidade no atendimento é um fator de influência para 65% dos consumidores tomarem a decisão de comprar  novamente.

Para se ter ideia dessa dimensão, 68% das pessoas consideram a qualidade do serviço ou produto fundamental na hora de ter um novo contato com a marca.

Ou seja, o atendimento customizado é tão importante quanto a qualidade do produto em si. Por isso, considerar os pilares do inbound marketing como o encantamento dos clientes e adotar boas práticas na hora de encomendar chatbots personalizados é indispensável.

Vantagens dos chatbots

A captação de clientes em determinados setores pode ser mais desafiadora do que em outros. É o caso das empresas de usinagem em SP, que estão no mercado industrial e enfrentam uma alta concorrência.

Contudo, agregar valor à vida do público é um diferencial. Isso pode acontecer com a disponibilização de conteúdos, de qualidade, de políticas de satisfação garantida e, claro, do atendimento customizado.

Imagine que um possível comprador resolve procurar empresas que trabalham com usinagem para criação de peças de metalurgia. 

No entanto, nas vias tradicionais, o atendimento só funciona em horário comercial, de segunda à sexta, por telefone ou outros canais.

Ao contar com chatbots, nas redes sociais ou no site (imagine que esse visitante descobriu o endereço no Google), a pessoa resolve enviar uma mensagem e tem sua resposta no momento em que precisa dela.

Pensando em implementar a estratégia e está na dúvida sobre as vantagens desse canal de atendimento para sua empresa? Separamos uma lista com benefícios que você pode avaliar. Veja abaixo:

  • Atendimento 24h/dia, todos os dias;
  • Respostas automatizadas e personalizadas;
  • A ferramenta pode ser usada em mais de um canal;
  • Redução do tempo de espera na hora de ajudar o cliente.

Com essas vantagens, é certo que captar o que a pessoa precisa e respondê-la em tempo hábil ficou mais fácil com a tecnologia.  

Afinal, é muito interessante personalizar as mensagens, sobretudo explicações para áreas mais técnicas, como a indústria e a construção civil.

Uma pessoa que decide comprar uma bucha de fixação para aparafusar uma parede ou equipamento precisa entender quais são os modelos, espessuras e dimensões exatas.

Da mesma forma, adquirir itens industriais – como as válvulas para tubulações – exige um grau de informação técnica e esclarecer as dúvidas com clareza é função do atendimento.

Embora a tecnologia não seja capaz de substituir as relações humanas, a simulação por chatbots é um caminho que atrai as empresas, abre possibilidades e pode ser programado com todas as especificidades de cada segmento.

Equipes que precisam cumprir um acordo de nível de serviço, também conhecido por SLA de atendimento, podem usufruir dos benefícios da ferramenta na hora de cumprir os prazos para dar a primeira resposta, atender o cliente no tempo esperado e solucionar o problema.

Imagine que um produto como uma luminaria LED posto de gasolina faz toda a diferença nesse estabelecimento, tanto pela rotina quanto pela segurança. 

Se a luminária tem algum problema de madrugada e existe uma equipe técnica que pode ajudar a resolver a situação, quanto mais ágil e completo for o atendimento personalizado, melhor, certo?

É por essas e por outras razões que a inteligência artificial dos chatbots é requisitada e está sendo testada em diversas áreas na hora de propor soluções criativas e urgentes.

Além disso, a ferramenta pode ser utilizada só no primeiro momento e, dependendo da dor a ser solucionada, o atendimento pode ser redirecionado.

Como criar um chatbot?

Se você chegou até aqui, pode ser que esteja considerando a criação de um chatbot para seu negócio.

Como já mencionamos durante o conteúdo, essa é uma ferramenta que pode servir para a venda de produtos diversos como um portão basculante fechado e outras estruturas para residências.

Do mesmo modo, eles podem atender outros segmentos, como o atendimento personalizado de clínicas na hora de marcar uma consulta de forma mais prática.

Depois que você define os objetivos da sua empresa e sabe quais são as personas ligadas à ferramenta, é hora de listar as soluções que essa estratégia resolveria para a rotina da sua empresa.  

Com isso, é importante pensar em quais são os canais mais utilizados e que possuem uma demanda relevante para o atendimento em questão.

Se você trabalha com etiquetas em rolo personalizada para precificação ou identificação de produtos, website e redes sociais como o Facebook podem ser um exemplo. Está na dúvida? Pesquise sobre a preferência dos seus clientes na hora de conversar.

Depois de uma ampla pesquisa, você também precisa traçar planos para que a comunicação do chat esteja de acordo com o funil de vendas e com a jornada de compra do seu cliente. 

Nesse momento é preciso mapear as perguntas frequentes de cada estágio, as dúvidas e desenhar um cronograma de como o atendimento pode solucionar tudo isso.

O tom de voz é outra questão importante. Afinal, ninguém quer tratar só com um robô e sim ser atendido por pessoas que entendem dos problemas e conseguem falar a mesma língua.

Por fim, pesquise softwares e profissionais que podem customizar o seu chatbot e faça testes antes da implementação definitiva.

porGuia de Investimentos

Dicas para otimizar o seu e-commerce 🛍️

Grande parte da rotina das pessoas envolve algum tipo de benefício oferecido pelo mundo virtual. Seja para realizar compras em um e-commerce para pagamento de contas, a internet se faz cada vez mais necessária na resolução de alguma tarefa do dia a dia.

Nessa perspectiva, é cada vez mais frequente empresas enxergarem a criação de um e-commerce como um investimento, justamente para que possam se tornar mais competitivas dentro do seu mercado de atuação.

Para isso, é preciso criar uma loja online que seja de fácil navegação, ofereça bons produtos, frete rápido e que possua um atendimento simplificado e de qualidade.

Esses são alguns dos pontos essenciais para o sucesso de qualquer e-commerce, fazendo com que ele se destaque de maneira positiva dentro do seu segmento.

Além disso, para que um e-commerce seja bastante eficiente, é preciso que ele seja bem administrado e que possua grande parte dos seus processos otimizados, de maneira a garantir que o funcionamento seja praticamente automatizado.

Esses processos garantem menores margens de erro, além de facilitar a organização, com o uso de algumas ferramentas indispensáveis para qualquer loja virtual.

Quais as vantagens da otimização de um e-commerce?

Um e-commerce pode surgir de duas maneiras: a primeira delas está relacionada à expansão de uma loja física, que deseja elevar o seu negócio para um novo patamar, atendendo a nível estadual ou até mesmo nacional.

A segunda, que é cada vez mais comum, se relaciona com a abertura de um novo negócio, sem que ele esteja necessariamente ligado a um estabelecimento físico.

Em qualquer um dos casos, a administração de um e-commerce vai demandar muita disciplina e organização, já que a tendência desse mercado é expandir cada vez mais.

Justamente nesse contexto, é preciso encontrar meios de tornar a rotina de administração do negócio mais ágil e eficaz.

Entre as principais vantagens da otimização, estão:

  • Maior controle de estoque;
  • Administração das vendas;
  • Processos automatizados;
  • Logística facilitada.

Tudo isso pode ser facilmente realizado com ferramentas de gestão capazes de fornecer diferentes soluções para um e-commerce, envolvendo tanto o planejamento de atividades quanto a divulgação do negócio.

Planejamento e rotina de um e-commerce

A rotina de um e-commerce deve ser linear, ou seja, planejada de acordo com a sua demanda e, quando for necessário, possuir uma margem para atender uma exigência maior.

Todos os pontos envolvidos em um planejamento estratégico visam evitar transtornos e estresse em momentos atípicos, onde podem surgir solicitações que fogem da normalidade.

Afinal, em qualquer tipo de negócio podem ocorrer imprevistos, e por isso se faz sempre necessário possuir um plano de ação para casos assim.

Isso abrange desde a parte administrativa até a logística, que precisam ser sempre bem organizadas.

Processos como o de comprar caixa de papelão personalizada para o envio de produtos ou o suporte dado ao cliente no pós-venda são essenciais dentro da rotina de um e-commerce, integrando de maneira indispensável o planejamento do negócio.

Mas, além desses, muitos outros processos internos devem ser incluídos dentro do planejamento, de modo a evitar possíveis imprevistos dentro de um e-commerce.

Para atender a essa demanda do planejamento, foram desenvolvidos alguns tipos de sistemas que auxiliam nessa organização, chamados de ERP (Enterprise Resource Planning).

Ferramenta de gestão: sistemas de automação para e-commerce

Um ERP (Sistema Integrado de Gestão Empresarial) surgiu como uma solução eficaz para auxiliar no processo administrativo de um negócio.

Com funcionalidades simples, permite controlar o estoque de produtos, indicando a quantidade de itens disponíveis e até mesmo o de logística, administrado a quantidade de caixa de papelão ondulado utilizada no envio dos produtos.

Por isso, o ERP permite que o estoque de uma loja física seja o mesmo de uma loja virtual, tornando possível administrar paralelamente as vendas realizadas nas duas modalidades.

Desse modo, quando ocorre uma transação na loja virtual, o sistema dá baixa no produto, tirando-o do estoque.

Assim, se uma empresa realizou a venda de compressor de ar pelo seu e-commerce e só possuía uma unidade no estoque, ele não constará mais como disponível, evitando que o mesmo produto seja comercializado duas vezes.

Além disso, um ERP pode emitir notas fiscais no ato da compra, ou seja, facilita o processo fiscal da loja de modo automatizado.

Isso pode ser feito facilmente por meio do cadastramento do produto na base de dados do sistema, fazendo com que ele seja identificado no ato da compra, e enviando a informação para o emissor de NF.

Ou seja, se um sistema possui previamente o cadastro de um produto como garrafa pet 500ml atacado, quando ocorre a transação na loja virtual, o sistema já realiza a baixa no estoque e permite a emissão da nota fiscal de maneira rápida, agilizando todo o processo de logística da empresa.

Outra funcionalidade bastante importante de um ERP é o controle financeiro.

Ele oferece relatórios importantes sobre entradas e saídas de caixa e permite uma administração dos recursos da empresa de maneira mais objetiva e transparente.

Assim, evita-se surpresas no momento de comparar dados da contabilidade, oferecendo resultados claros de toda a movimentação do e-commerce e da loja física.

Ferramenta de marketing: divulgação de uma loja

As ferramentas de marketing são complementares ao sistema de gestão de um e-commerce, sendo responsáveis por manter contato com os clientes já fidelizados e de alcançar um novo público para o negócio.

Por isso, essas ferramentas devem ser estudadas e aplicadas, de maneira a aumentar os resultados do e-commerce.

Uma das principais é o e-mail marketing. Ele pode ser utilizado de maneira bastante ampla, que vai desde a divulgação de ofertas do seu negócio, como um modelo especial de potes plásticos, até o envio de newsletters e conteúdos informativos.

Outra dica é investir na divulgação em redes sociais, que permitem um contato mais direto com o público e com as suas preferências, o que pode ser um meio bastante eficiente de realizar uma pesquisa de mercado e descobrir o interesse do seu público-alvo.

Além disso, nas redes sociais é possível realizar anúncios e atrair os usuários para acessar o seu e-commerce, por meio de um link que forneça produtos como etiquetas para camisetas, ou mesmo um link que leve o cliente para acessar o blog da loja.

Os meios de divulgação de um e-commerce são vários, e essenciais para que o público de um negócio possa conhecer a loja de maneira completa, acompanhando as novidades e lançamentos.

Métricas

Hoje também é possível investir em ferramentas de marketing voltadas para obtenção de métricas, que fornecem dados sobre o comportamento dos clientes no momento da compra.

Assim, é possível conhecer mais sobre como um cliente reage dentro da página de vendas, durante o lançamento de um novo produto como uma base para produtos de limpeza, verificando se ele adiciona o produto no carrinho e se finaliza a compra.

Isso permite medir, por exemplo, se os meios de pagamentos oferecidos são bem recebidos pelo público, ou se precisam ser complementados.

Esses dados também permitem realizar ações de marketing direcionadas ao público-alvo, sejam elas em redes sociais ou banners em sites e blogs.

Assim, essas ferramentas de otimização de um e-commerce se tornam diretamente responsáveis por melhorar os resultados e o número de vendas.

Ferramenta de logística: acompanhamento da entrega

Os sistemas de acompanhamento de entregas são essenciais dentro de um e-commerce.

Isso porque os clientes desejam saber cada detalhe de uma compra, acompanhando o processo desde que o produto sai de uma prateleira para supermercado ou loja, até o momento em que ele sai para entrega ao destinatário.

Por isso, é importante promover meios de informar ao cliente em qual etapa do processo de compra e entrega está o produto que ele adquiriu.

Uma das formas mais comuns de se fazer essa comunicação é utilizando e-mails informativos, que podem ser disparados diretamente pelo sistema de gestão do e-commerce, precisando para isso ser alimentado de acordo com os dados fornecidos pela logística da loja.

Há também a possibilidade de comunicar esses passos por meio de aplicativos de troca de mensagens instantâneas, que são cada vez mais utilizados por e-commerces.Nesse cenário, é percebe-se o quanto as ferramentas disponíveis hoje são importantes para compor de maneira mais completa o mercado de vendas virtuais, complementando grande parte dos processos por meio do uso de sistemas e softwares essenciais para a gestão, marketing e logística de um e-commerce, otimizando sua estrutura e aumentando os resultados.

porGuia de Investimentos

O que é web 4.0 e qual a importância para o seu site 💥

Assim como toda e qualquer invenção tecnológica, a internet está passando por uma evolução constante, caminhando para uma nova era: a web 4.0.

O estudo da web 4.0 é capaz de auxiliar as ações estratégicas voltadas ao desempenho de uma página virtual, possibilitando que um administrador consiga compreender melhor o cenário atual da sociedade e do mercado, bem como o perfil das pessoas que chegam até um site. Tudo isso decorre do fato de que novas interações entre marcas e consumidores estão surgindo e ganhando força na atualidade, principalmente com as facilidades de se criar blogs, sites, páginas ou perfis em redes sociais.

Nesse sentido, o artigo abaixo busca explicar o conceito de web 4.0, explorando a necessidade das empresas de se manterem atualizadas às mudanças da sociedade e do mercado.

Mas, afinal: o que é a web 4.0?

Inúmeras são as coisas do mundo que passam por processos de evolução. E com a internet não é diferente. No momento em que ela foi criada, a internet ainda estava no estágio de web 1.0. Com o passar do tempo, ela foi evoluindo para a web 2.0 até a web 3.0, estágio em que a sociedade se encontra no momento.

Tendo em vista que a web 3.0 é marcada pelo uso dos algoritmos, principalmente, dentro de sites e das redes sociais, presume-se que um elemento marcante da próxima geração da internet será a inteligência artificial.

Logo nos dias de hoje é possível verificar etapas do atendimento a clientes sendo feitas por assistentes virtuais ou chats automatizados. Isso está presente no site de uma loja de móveis planejados SP, por exemplo, a qual possui um chatbot responsável por tirar dúvidas de clientes a respeito de itens como material dos móveis, tamanhos, cores, entre outros elementos.

Portanto, especialistas afirmam que esse fenômeno pode continuar a se expandir, invadindo áreas como os motores de busca, tais como o Google, Yahoo e Bing, visando melhorar a experiência dos usuários que realizam pesquisas. Assim, a web 4.0 geraria uma relação ainda maior e próxima entre humanos e máquinas, tornando, cada vez mais, um dependente do outro dentro da internet.

A Internet das Coisas

A Internet das Coisas é um termo utilizado para designar a intensificação de um fenômeno que já está ocorrendo: a integração de máquinas para que tarefas do cotidiano sejam otimizadas. Ou seja, a web 4.0 irá incorporar diversos elementos, todos conectados à internet, cujas funções serão controladas sem qualquer tipo de apoio humano. Um bom exemplo disso são as casas inteligentes, já existentes na atualidade. Elas funcionam como um sistema totalmente integrado à internet, conectando vários dispositivos como:

  • Televisão;
  • Ar-condicionado;
  • Geladeira;
  • Fogão;
  • Entre outros.

Dessa forma, as tarefas do dia a dia se tornam mais fáceis para o proprietário.

Assim, um aquecedor solar preço de uma casa inteligente, por exemplo, pode aquecer a água de um chuveiro de acordo com a temperatura média que alguém costuma tomar banho. Ou, melhor ainda, o aquecedor pode esquentar a água conforme a temperatura do ambiente externo da casa, promovendo maior conforto aos moradores. Outros dispositivos já existentes, tais como a fechadura eletrônica biométrica, podem ser ainda mais aprimorados, permitindo que o morador de uma casa seja notificado, através do seu celular, caso alguém esteja tentando entrar no local e sendo barrado pelo sistema.

As vantagens para os sites

Com tantas modernidades que podem começar a fazer parte do cotidiano das pessoas, é inevitável pensar nas implicações que a web 4.0 terá para os sites da internet e, consequentemente, para os negócios.

1) O controle de estoques

A tecnologia procurará facilitar tanto a vida dos consumidores quanto dos proprietários. Assim, uma loja virtual que venda máquina a vácuo, por exemplo, poderá receber notificações toda vez que o número de máquinas dentro do estoque estiver abaixo do necessário para continuar a operação da empresa. Com isso, os funcionários responsáveis podem imediatamente ordenar um pedido aos fornecedores ou programar softwares para que estes façam os pedidos automaticamente. Dessa maneira, o prejuízo provocado pela falta de produtos a serem enviados aos consumidores poderá ser evitado, tornando o serviço ainda mais ágil.

2) A visualização de produtos

Já no campo dos e-commerces, as tecnologias que estão sendo desenvolvidas dentro do campo das animações 3D e da realidade virtual podem permitir que produtos sejam melhores apresentados. Portanto, para exemplificar essa questão, um e-commerce que vende poltrona de massagem é capaz de incluir uma ferramenta dentro de seu site a qual possibilita que os usuários visualizem uma maquete virtual em 3D na frente de seus olhos.

3) A autonomia dos chatbots

Além disso tudo, provavelmente haverá uma melhoria ainda mais intensa nos chatbots. Atualmente, estes robôs consistem em ajudantes automatizados que funcionam por meio de configurações já definidas. Ou seja, um usuário entra no site de uma empresa de monitoramento ambiental, por exemplo, e pergunta a um chatbot: “quais são os serviços oferecidos para a proteção de reservas ambientais?” Esse atendente virtual já possui um banco de dados que reconhece palavras-chave como “serviços”, “proteção” e “reservas ambientais”. A partir disso, o chatbot é capaz de dar uma resposta previamente elaborada por algum funcionário dessa empresa.

A vantagem do uso de chatbots é que eles dispensam a necessidade de se contratar um funcionário exclusivamente para o atendimento de questões simples. Contudo, esses assistentes ainda não são capazes de responder a perguntas mais elaboradas que exigem um conhecimento mais aprofundado a respeito do setor de atuação das empresas.

Nesse sentido, a web 4.0 pressupõe a utilização, no futuro, de assistentes virtuais os quais podem atender a todas as necessidades dos consumidores. Através da Inteligência Artificial e do Machinne Learning (ou, em português, “aprendizado de máquina), os chatbots podem aprender novas respostas com o tempo, tornando-os totalmente autônomos. 

Com isso, o chatbot do site de uma empresa de ferramentaria e usinagem, por exemplo, poderia explicar detalhadamente ao usuário de um site como é o processo de fabricação de cada peça, ferramenta ou dispositivo elaborado pela firma. O que se conquista com isso é a agilidade e a satisfação do cliente, o qual irá sentir que todas as suas necessidades foram plenamente atendidas.

4) Melhoria nos algoritmos

Como dito anteriormente, a internet que se conhece nos dias de hoje está extremamente pautada na utilização de algoritmos. Estes permitem que o comportamento de cada usuários da internet possa ser conhecido, possibilitando que um grande banco de dados seja gerado para ser utilizado pelas empresas. Nos dias de hoje, o uso dos algoritmos está, basicamente, pautado no direcionamento de ações virtuais de acordo com os gostos de cada pessoa.

Entretanto, é comum os algoritmos apresentarem falhas, fazendo com que posts do Facebook de uma empresa de locação de mesas para eventos, por exemplo, sejam apresentados para pessoas que não possuem o mínimo interesse na organização de eventos.

É por conta de acontecimentos assim que a web 4.0 provavelmente buscará incrementar ainda mais o poder dos algoritmos, permitindo, cada vez mais, que o site de uma determinada empresa direcione suas ações exatamente para pessoas as quais possuem uma grande chance de consumirem produtos ou serviços. Com isso, uma organização consegue ampliar ainda mais os seus lucros, utilizando os algoritmos como uma forma de aprimorar estratégias como as técnicas de SEO, o marketing de conteúdo, e o compartilhamento de anúncios e links patrocinados dentro das redes sociais.

Além disso, por meio da maneira como os consumidores de uma determinada empresa se comportam dentro da internet, talvez seja possível que os próprios algoritmos consigam elaborar a persona de uma marca (ou seja, o perfil fictício do que seria um cliente ideal).

Todas as mudanças sobre as quais a internet está sujeita muito provavelmente irão alterar drasticamente a maneira como as pessoas se comportam dentro do mundo virtual. Tudo isso exige que as empresas permaneçam antenadas às novidades e às exigências do mercado, tendo em vista que, cada vez mais, o avanço das tecnologias está acontecendo de uma maneira mais rápida. Portanto, percebe-se que, a web 4.0 já é uma realidade cada vez mais próxima das pessoas.

porGuia de Investimentos

PDSA – saiba como aplicar em sua startup 🗽

Startup” é o nome que se dá para pequenas companhias ou empresas que estão iniciando as suas atividades e que estão explorando e testando atividades inovadoras dentro do mercado. Portanto, uma startup tem um intuito principal que consiste em se destacar com ideias novas.

É nesse sentido que a metodologia PDSA se mostra uma ferramenta de grande importância, tendo em vista que as startups geralmente ainda não possuem experiência o suficiente para saber se as suas estratégias darão certo ou não. E é sobre essa questão que o texto irá falar, tomando como exemplo uma startup que vende produtos em inox, como uma chapa de inox.

O que é o PDSA

PDSA é uma metodologia que consiste em quatro etapas básicas: 

  1. O P de “plan” (planejamento);
  2. O D de “do” (execução);
  3. O S de “study” (estudo);
  4. O A de “act” (ação). 

Assim, o PDSA é uma ferramenta de aprendizado que faz parte da gestão de qualidade das empresas, buscando ser um ciclo de melhoria contínua dos projetos e dos processos de uma firma. Dessa forma, o PDSA pode ser aplicado, por exemplo, em linhas de produção de um tanque de inox para que seja alcançada uma melhoria cada vez maior nesse processo.

A importância do PDSA se dá pelo fato de que ele não busca aplicar o simples método de tentativa e de erro em uma startup, o qual pode ser bastante ineficiente e custoso, mas sim um método de tentativa e de aprendizado. 

Portanto, o PDSA se baseia em realizar previsões por meio do estudo dos processos, garantindo que não seja necessário passar por problemas para verificar a existência de ineficiências em um processo. Isso porque perceber que a produção de conexões inox roscadas, por exemplo, está apresentando erro em alguma etapa pode prejudicar todo um processo, interrompendo o funcionamento da linha e, consequentemente, gerando prejuízos.

Assim, o PDSA se pauta, principalmente, nas práticas de estudo e análise. Isso permite que aprendizados possam ser agregados ao planejamento da empresa, possibilitando a aplicação do que foi aprendido em momentos posteriores. É por essa razão que o PDSA é algo indispensável para startups, já que essa metodologia é essencial para se estudar processos com um nível de complexidade maior, como é o caso das startups que ainda estão em fase de experimentação de ideias.

As etapas do PDSA

Como dito anteriormente, um ciclo PDSA funciona pautado em quatro aspectos essenciais: planejamento, execução, estudo e ação. Ele é um ciclo pois nunca tem fim.

Planejamento

A etapa do planejamento tem o intuito de definir objetivos de um determinado processo. Isso só é possível por meio da elaboração de questionamentos e de previsões do que pode vir a acontecer. Basicamente, essas perguntas são pautadas em “quem”, “o que”, “onde” e “quando”. Com isso, é possível verificar todas os fatores que estarão em pauta durante um processo, tais como a elaboração do projeto de um tanque industrial de inox, por exemplo.

Execução

Depois de se planejar, é hora de botar a mão na massa. É nesse momento em que tudo que foi definido no planejamento é colocado em ação. Assim, durante um processo, é necessário documentar os problemas que podem ter surgido, bem como os acontecimentos inesperados. Isso ocorre quando, por exemplo, a linha de produção de esferas de aço inox é interrompida, exigindo dos funcionários responsáveis a documentação do que ocorreu. Além disso, é nesse momento em que se inicia a análise dos dados obtidos.

Estudo

A etapa do estudo, como o nome indica, irá consistir em estudar os dados e os fatos observados durante a execução de um projeto. Portanto, os dados analisados anteriormente são complementados com outras informações e comparados com as previsões feitas. Após isso, é feito um resumo de tudo que foi aprendido. Nesta etapa, pode-se averiguar os motivos pelos quais as previsões do que deveria ocorrer durante a produção de uma cantoneira de aço inox, por exemplo, não se concretizaram.

Ação

Por último, tem-se a ação. Ou seja, tendo em vista tudo que foi analisado e aprendido, o que a empresa pode fazer para melhorar? Quais serão os objetivos do próximo ciclo de aprendizado? Isso tudo serve para gerar uma melhoria contínua dos processos. Assim, se a produção de um tubo schedule de inox deu errado, por exemplo, atitudes cabíveis serão tomadas para que isso não ocorra no futuro.

Portanto, verifica-se que o ciclo PDSA é uma ferramenta de suma importância para startups. Ela permite que essas empresas, muito propícias a riscos e ao desconhecido, adquiram maior consciência sobre as suas ações e a eficácia delas. Assim, o ciclo PDSA é capaz de ser aplicado em qualquer tipo de startup, desde um aplicativo novo até uma empresa produtora de armário em aço inox para cozinha industrial.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

porGuia de Investimentos

Por que investir na criação de aplicativos para sua startup?

A presença do mundo digital na sociedade é cada vez maior. Difícil encontrar alguém sem um smartphone na mão, ou que ainda não tenha feito o uso de nenhum aplicativo para celulares. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Brasil já superou a marca de um smartphone por habitante, com mais de 220 milhões de celulares inteligentes ativos.

Para a FGV, os smartphones devem superar o número de computadores, telefones fixos e celulares até 2020. Segundo a pesquisa, o ano de 2018 registrou 174 milhões de computadores, incluindo os notebooks, tablets e computadores de mesa. O total é quase 50 milhões a menos do que o número de smartphones.

Nesse sentido, não é de se espantar que o mercado fique atento a essa nova forma de relacionamento e consumo das pessoas. Por essa razão, os aplicativos empresariais são cada vez mais recorrentes. 

Segundo um estudo da Gartner Inc., aproximadamente 71% do mercado mundial já adota esse tipo de tecnologia, incluindo o Brasil. Os dados mostram que a demanda é maior para os negócios inovadores, como as startups.

O que são startups?

O termo “startup” surgiu nos Estados Unidos, mas somente se popularizou no Brasil nos anos de 1996 a 2001, com o “boom” das empresas ponto.com, isto é, de empreendimentos de tecnologia da informação e comunicação alocadas no espaço da internet. 

A partir disso, já fica fácil entender o porquê o desenvolvimento de aplicativos tem mais demanda para essas empresas.

Mas, nem toda empresa de tecnologia é uma startup. O diferencial está no modelo de negócios, pois as startups têm como conceito principal a geração de valor. Um exemplo claro é o Google, que cobra por cliques em anúncios que aparecem nos resultados de busca. Outro exemplo é o modelo de franquias, onde se paga royalties por uma marca e tem uma receita com suporte do franqueador.

No presente, o modelo de negócios das startups é cada vez mais comum, ainda mais pela lógica do mercado ter sido atravessada pelas mudanças das mídias online, bem como os novos comportamentos dos consumidores, que são cada vez mais permeados pelas tecnologias.

Sendo assim, há uma grande diversidade de startups: desde as que fornecem soluções tecnológicas para instalações industriais, até as do ramo educacional. Em conjunto, com o crescimento cada vez mais intenso do mercado mobile, o investimento em aplicativos tem se mostrado uma ótima opção para a lucratividade e geração de renda.

As vantagens de investir em um aplicativo mobile

Melhor gerenciamento de atividades

Além do uso cada vez mais assíduo de smartphones, o público utiliza 6 vezes mais aplicativos do que sites mobiles. Por isso, as empresas e startups estão se adaptando para atender seus clientes da melhor forma possível, isto é, da maneira como ele está habituado a consumir conteúdo.

Para esclarecer melhor, imagine uma empresa que trabalhe com projetos de gerenciamento de áreas contaminadas. O sucesso do negócio depende diretamente das especificações do planejamento, bem como de uma descrição detalhada de todas as etapas da obra, materiais e equipamentos usados, controle das áreas contaminadas e, sem deixar de mencionar o cumprimento das legislações.

Com um aplicativo mobile, a empresa de gerenciamento pode otimizar o tempo e o custo na elaboração do projeto, além de ter um armazenamento de dados muito mais eficiente e organizado. Além disso, os aplicativos contribuem para a redução de processos manuais, em que é inevitável o surgimento de erros humanos, com consequências negativas.

O mesmo serve para uma empresa que trabalha com o fornecimento de energia solar fotovoltaica residencial. Todo o projeto demanda certas especificações, que devem levar em conta a planta do imóvel, o espaço, a instalação das placas fotovoltaicas e demais equipamentos. Os aplicativos conseguem gerenciar todas essas informações, de modo automático.

Além disso, a tecnologia mobile também pode ser programada para dar notificações sobre as necessidades de manutenção ou revisão de determinados equipamentos, como no caso do gerador de energia solar residencial. Fora as demais personalizações do aplicativo, conforme as necessidades da empresa.

Engajamento do público e dos clientes

Além de aumentar a quantidade de pessoas que terão acesso ao seu produto e/ou serviço, diante dos dados apresentados anteriormente sobre o uso de mobiles e smartphones, os aplicativos também melhorar a experiência do usuário e, como consequência, tendem a atrair novos potenciais clientes.

Atualmente, muitas empresas e startups têm se preocupado em oferecer sites responsivos, que se adaptam às telas de diferentes tamanhos. Mas, às vezes, mesmo com muito esforço, a experiência do usuário com os sites não é a mesma com os aplicativos. Assim, ao oferecer produtos e/ou serviços em apps, as chances de concretização de venda podem ser potencializadas.

Além disso, vale dizer que os aplicativos são especialmente desenhados para smartphones. Todos os seus conceitos, comandos e menus seguem uma lógica mobile, para uma usabilidade simples, objetiva e intuitiva. Assim, ao oferecer um aplicativo para montagem de maquete eletrônica 3D, o programador considera a lógica do touch, além de outras especificações próprias dos smartphones, que contribuem para a melhor experiência do usuário.

Outra vantagem do aplicativo é a comodidade. Com ele, o usuário pode realizar diversas ações em um só lugar, como comprar os produtos, conferir datas de entrega, buscar por orientações e ter um atendimento personalizado. Assim, ao comprar uma cadeira de rodas motorizada preço diferenciada em um aplicativo, o cliente pode, inclusive, acompanhar o rastreamento da mercadoria, ter acesso ao manual de uso, entre outras vantagens. Isso aumenta consideravelmente o engajamento com a marca.

Melhor armazenamento da base de dados

Uma forma efetiva de aumentar a lucratividade e as vendas é oferecer aos clientes produtos personalizados, isto é, algo que eles realmente precisam. Isso pode ser feito da seguinte maneira:

  • Por meio de pesquisas de opinião em formulários online;
  • Por meio da análise do feedback dos consumidores;
  • Por meio do perfil médio dos clientes (persona);
  • Por meio da base ou banco de dados.

Com os aplicativos mobile, é possível conferir com mais precisão o armazenamento do banco de dados, conforme descrito no último item. Os apps coletam informações que os usuários deixaram na rede e, de maneira automática, cria um perfil mais preciso dos clientes. Assim, é possível mapear o comportamento dos consumidores e criar estratégias objetivas de abordagem.

Por exemplo, o banco de dados pode apontar que os usuários que procuram por proteção de maquinas e equipamentos nr12 trabalham, geralmente, em indústrias de construção civil e já sofreram acidentes com colaboradores. Com isso, a empresa pode traçar um planejamento, demonstrando a eficácia no serviço de treinamento e adequação das máquinas à NR 12.

Outro ponto positivo, ainda na questão do banco de dados, diz respeito às informações referentes aos principais horários de busca, qual push gera maior número de cliques, bem como quais conteúdos foram mais acessados. Através disso, a startup pode adequar o marketing, ajustando para ações personalizadas.

Maior espaço para inovação

Os aplicativos permitem que as empresas invistam mais em inovação, o que acaba sendo uma vantagem em relação aos concorrentes. Além disso, é possível testar algumas estratégias no mobile, antes de aplicá-las a outras plataformas de marketing. Assim, as startups podem verificar se determinada ação é realmente eficiente para gerar vendas.

Além disso, a inovação também cria maior fidelização com os clientes. Por exemplo, os usuários que baixaram o aplicativo da empresa podem contar com ofertas exclusivas dos produtos. Nesse sentido, um empreendimento de componentes de usinagem pode oferecer um preço exclusivo na engrenagem helicoidal, se adquirida pelo aplicativo. Ou seja, é uma forma de oferecer algo especial e, com isso, contribuir para um bom relacionamento da empresa com os clientes.

Menor custo

Muitos empreendimentos e startups têm dúvidas sobre investir em aplicativos, principalmente, por conta do preço. No entanto, a criação de recursos mobile é cada vez mais uma opção mais barata, especialmente, quando comparada com o ROI (retorno sobre investimento) positivo.

Além disso, o desenvolvimento de aplicativos é algo bastante flexível, portanto, qualquer startup e qualquer empresa pode se beneficiar com o recurso. Vale ressaltar que, longe das lógicas complicadas de programação, é possível encontrar programas especiais para criação de aplicativos personalizados – do jeito que a empresa quer!

Ademais, os aplicativos também podem ser integrados com demais mídias, incluindo as redes sociais. Isso gera maior visibilidade da startup no mundo digital, contribuindo para que a empresa ganhe relevância e autoridade no mercado, principalmente, em relação aos concorrentes que ainda não fazem uso de recursos mobile.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.